Bioporã

Acima de R$ 250

Radar

Baru e Jatobá

Bioporã . 20.09.18

Em: Reflexões Nutritivas, Saúde e Nutrição

Você conhece a castanha de Baru?

Provavelmente, a maior parte dos brasileiros não. E se você é daqueles que já viu e experimentou a castanha, quase com certeza nunca viu o fruto nem a árvore do baru. Pois não se acha uma plantação de baru. Ele está espalhado pelo Cerrado e colhê-lo é sinônimo de fazer muita trilha.

Dona Maria do Cerrado, pioneira no extrativismo do baru aqui na Chapada dos Veadeiros, nos conta que há alguns anos ninguém ligava para o baru, que só mantinham as árvores de pé para servir de sombra e comida para o gado (que adora os frutos!).

Daí, descobriram o baru e hoje não dá mais para contar quantos produtores extrativistas saem em busca do baru no meio do Cerrado. E dá para afirmar: praticamente 100% do baru disponível no mercado é oriundo de extrativismo realizado por pequenos produtores, quilombolas e indígenas aqui no Cerrado.

Consumir baru é uma forma de apoiar estes grupos minoritários e também manter o Cerrado em pé.

Com gosto semelhante ao amendoim, o baru é rico em ômega 6 e 9, minerais como ferro, zinco, fósforo, cálcio e magnésio além de ter aminoácidos essenciais e alto teor de proteínas: 29,6%, mais que a castanha-do-pará e de caju.

A gente valoriza esta castanha e o trabalho daqueles que disponibilizam ela para nós.

E, claro! Tínhamos que ter um sabor com esta iguaria única: Mindu Baru Bioporã.

Nossa manteiga de amendoim, baru e mais nada. Ou melhor, todo o sabor e vitalidade desta jóia do Cerrado!

 

E a farinha de Jatobá? Você já ouviu falar?

Árvore da família das leguminosas e comum em quase todas as diferentes paisagens do Cerrado, ela produz uma vagem escura do tamanho do seu celular, de casca bem dura.

Quebre a casca e você vai encontrar uma polpa seca espessa envolvendo suas sementes graúdas, esfarelenta, amarela-esverdeada, com um aroma que só quem já cheirou conhece.

Passe essa polpa em uma peneira e você tem em mãos uma farinha integral incrivelmente saborosa, versátil e nutritiva: possui mais Potássio do que banana e mais Cálcio do que leites de origem animal! Além de ser uma excelente fonte de vitamina C e minerais, como: ferro, fósforo e magnésio.

É simplesmente incrível: uma farinha que sai do fruto pronta para consumo, que dispensa qualquer beneficiamento para ser saboreada, e que dá numa árvore natural de nosso País!

Principais benefícios do jatobá: fortalece o sistema imunológico, ajuda a manter os ossos saudáveis, combate os radicais livres, regula a pressão arterial, auxilia no bom desempenho das funções cerebrais além de ser um grande e potencial energético natural.

Longe de sugerir a substituição de farinhas de cereais como trigo, aveia e arroz pela farinha de jatobá. Mas é algo que nos faz pensar: por que as prateleiras dos mercados estão abarrotadas de farinhas (ou produtos feitos com elas) oriundas de gramíneas de ciclo de vida curtíssimo, produzidas em monocultivos, originárias de outros continentes e altamente processadas enquanto uma única árvore de jatobá pode produzir toneladas de farinha ao longo de sua vida, e dentro de uma floresta?

Qualquer resposta mais sensata à questão deve reconhecer a nossa falta de conhecimento sobre as riquezas naturais de nossa terra, aqui em especial do Cerrado.

E vale lembrar que a taxa de desmatamento médio anual do Cerrado de 5% informada pelo Ministério do Meio Ambiente, logo logo vai ser ainda mais difícil conhecer o jatobá.

Compre de quem faz e apoie o pequeno produtor local!
Salve o Cerrado!

 

Tabelas Nutricionais:

Compartilhe: